Piny

Piny (Anaísa Lopes), nasceu em Lisboa em 1981.

Licenciada em Arquitectura pela Faculdade de Arquitectura, Universidade Técnica de Lisboa (2007), concluiu uma pós graduação em Cenografia pela mesma faculdade  em 2009, ano em que participou no Workshop Internacional de “Cenografia, Dança e Arquitectura”, leccionado na École National d’Architecture de La Défense  e Centre National de Danse  (Paris).

Terminou a Licenciatura em Dança pela Escola Superior de Dança, Lisboa em 2012. A busca apaixonada e incessante por toda a formação em dança a que tinha acesso, quer a nível nacional como internacional, foi sempre uma forte característica, em que resulta uma intensa pesquisa pessoal num vocabulário próprio de fusão de diferentes técnicas. As suas áreas principais de trabalho são o Bbboying, House, Lofting, Waacking, dança contemporânea e Tribal Fusion Belly Dance. Destaca na área da dança urbana a formação com Yugson  Hawks, Kapela, Cebo Carr, Hiro, Caleaf, Brian Green, Brooklin Terry, Marjorie Smarth, Archie Burnnet em escolas de dança em Nova Iorque, Paris, Amesterdão e Estocolmo. Na área do Tribal Belly Dance, destaca a formação com Ariellah em Madrid, Rachel Brice e Silvia Salamanca em Amesterdão, tendo feito aulas em NY com Fayzah, Morocco, Karima Nadira e Amira Mor.

Apresentou a sua primeira criação “Corpo (i)lógico”,  na Mostra de Criadores Emergentes 2011 – 1º andar, organizado pela Quarta Parede, Cineteatro Avenida, Castelo Branco. Como intérprete participou na peça “Nha corpu teu fado” de Kwenda Lima, no Centro Cultural da Malaposta em 2010 e 2011 e em 2012 integrou a peça “Os nossos afectos” de Joana Antunes para Guimarães Capital Europeia da Cultura.

É bailarina e coreógrafa da crew  ButterflieSoulflow (Hip Hop) tendo dançado com Afrika Bambaata (Casino de Lisboa)  e Jukebox Project (Hip Hop) crew oficial do Rock in Rio 2012. Criou em 2012 o colectivo Orchidaceae -Urban Fusion Belly Dance, tendo recebido o 1º lugar no II Concurso Internacional de Dança de Oeiras. Colabora com frequência com projectos artísticos transversais, dos quais são exemplo o projecto “Canto de Amor”, realizada por João Nuno Pinto, inserida no projecto “Movimentos Perpétuos – Arte para Carlos Paredes” e o projecto “Dance Jockey” de Yago de Quay apresentado em Luanda. Como freestyler salienta a colaboração com o Dj Manaia, a colaboração de dois anos com a Eastpak, trabalhos para a Optimus e a  participação em diversos videoclips (Buraka Som Sistema, Philarmonic Weed, Nel Assassin, Mundo Complexo, Sam the Kid…), assim como a participação regular em battles.

Como professora lecciona desde 2005, como professora regular em diversas escolas em Lisboa e como professora convidada a nível nacional. Está envolvida no projecto da Jazzy desde a sua origem. Podem deliciar-se semanalmente com as suas aulas de Tribal Fusion Belly Dance, Contemporary Fusion, Waacking e, para os mais pequeninos, com as aulas de Hip Hop Kids.

Uma longa história de dança com muitas linhas por escrever…

Página:

www.orchidaceaeurbantribal.com